Make your own free website on Tripod.com

" Mediunidade,Moral e Ética na Umbanda "


Seguramente não há muito a dizer para que fique esclarecido como é e como agem as manifestações no médium de Umbanda.Nenhuma diferença fundamental há entre as manifestações umbandistas e as espíritas ditas kardecistas.As manifestações de um modo geral são as mesmas preconizadas por Alan Kardeck a quem se deve respeito e infinita gratidão pelas suas luzes,atitudes morais e renúncias em prol da humanidade.

Notamos entre os médiuns umbandistas e médiuns espíritas essas diferenças:

Nota: Os mentores(Guias) podem trabalhar tanto com médiuns de Umbanda como com médiuns espíritas(kardecistas) e para isso,mudam somente suas vestimentas fluídico-vibratórias,pois,o objetivo maior de tudo isso é a caridade,o amor,a justiça e o andamento das obras da grande fraternidade do astral superior comandada pelo divino Mestre Jesus,o Cristo.

A mediunidade na Umbanda deve ser atuada com atividade intensa de trabalho construtivo em favor dos irmãos mais aflitos e deve ser exercidada dentro de uma rigidez moral para que um dia o médium possa se transformar em um grande e autêntico Sacerdote da Mediunidade atuando mais na vida espiritual que na vida material.O verdadeiro médium umbandista que tem esse compromisso como prioridade,vive uma vida material simples abstendo-se de vícios,de coisas banais e fúteis e usa de seus deveres para que seje um excelente e honesto cidadão em todos os sentidos e,se for responsável por uma família deve cuidar e dar uma vida digna e decente pois todos nós somos responsáveis por tudo aquilo que cultivamos e está ao nosso redor.

O médium de Umbanda que se reconhece como tal jamais pode ser confundido como embusteiro,mercenário e mistificador das coisas divinas.Deve sempre ter um controle de vigia permanente sobre si(Orai e Vigiai),nunca deixando de fiscalizar os seus atos em sua vida diária assim como seus pensamentos,controlando-os das inclinações más e daninhas e seus instintos ainda adormecidos em seu sub-inconsciente.

O médium umbandista tem que estar preparado para o entendimento para evitar a decepção com a vida mundana e ter uma convicção(ápice da fé) inabalável de que a mediunidade é um sacerdócio,pois,a falta de convicção e de compreensão podem comprometer a sua mediunidade e evolução.Nunca deve ter a ilusão de sempre receber a gratidão dos outros irmãos pelas caridades que pratica e muito menos recompensas,presentes,homenagens,etc.etc. que não condiz com :

"Darás de graça o que de graça receberes"
.

O médium de Umbanda nunca deve pensar em enriquecer à custa do dom mediunico ou prevalecer-se dele para invocar as Entidades da Astralidade para que eles o socorram de coisas fúteis ou de comenzinhas dos problemas materiais,porque a espiritualidade não está à disposição para simplesmente satisfazer os caprichos do homem, mas sim para dar orientações, curas de doenças,de aflições,etc.Os problemas materiais pertencem somente ao homem, e ele é que deve ajeitá-los pois as circunstâncias da vida pertence a cada um de nós. Dependendo da causalidade,o médium nunca estará desamparado da assistência protetora da Astralidade Superior. A mediunidade não transforma as entidades amigas em serviçais e muito menos garante ao médium fortuna ou êxito profissional.Cedo ou tarde aquele que segue um caminho tortuoso abrirá os olhos, apavorado,decepcionado e convencido de que tudo está errado e que no seu atraso mental pensava estar ajeitando tudo em sua vida,um grande choque:tudo piorou...
Vejam e tirem dessas humildes leituras o exemplo de que todos sem a devida preparação e que escolhem este caminho terão:um grande precipício das coisas materiais e simbioses com espíritos atrasados e levianos que levarão o médium a se tornar um Mago-Negro tornando desonesto os seus pensamentos e seus méritos morais.
Isso tem acontecido com frequência em alguns terreiros e acontecerá aos médiuns de todas as correntes religiosas inclusive aos conhecidos "Espíritas de Carteirinha" que acham que sabem porque conhecem não porque praticam e que mais cedo ou mais tarde acabam batendo na porta da nossa Umbanda para aliviá-los de seus sofrimentos e suas mazelas porque humilhados em seu orgulho não dão a mediunidade o seu devido valor divino,seje por conveniência pseudo-científica-social e política ou por falta de selo moral.

Ao nosso ver,o médium seje ele de qualquer corrente religiosa ou necessariamente umbandista deve ter a consciência de suas enormes obrigações de natureza moral e da dedicação que deve ter a parte prática com dignidade para que possa evoluir e melhorar os seus semelhantes.Fazendo isso, estará numa nobre condição altamente bela e altruista de ser o "Elo de Ligação entre o Astral Superior e os Homens".Para que possa receber os bálsamos calmantes em seu coração e espírito, o mediúm não deve dar os maus exemplos de vaidade,presunção,orgulho,hipocrisia ou de vícios como fumo,álcool,drogas,etc pois estes são sinais exatos de como se saber se realmente o médium exerce a divina mediunidade ou se é mais um fantoche a enganar aos outros e a si próprio.Se isto não acontecer e seus atos diários comprovarem isto,ele pode ser poliglota,ter graduação em qualquer academia do mundo,usar e abusar na área espiritual fazendo "grandes trabalhos" será sempre aos olhos do Astral Superior um homem sem nenhum valor e será como mencionamos acima um "espírita de carteirinha" ,mais um aventureiro.

Há de se ter um procedimento absolutamente certo para identificar em qualquer parte e à qualquer momento o médium verdadeiro que, tomado como orientação moral e disciplinar possa servir como referência à todos(leigos,despreparados) que queiram ingressar sem nenhum transtorno na mediunidade.

Pedimos para você irmão que deseja trilhar a verdadeira mediunidade como sacerdócio refletir sobre estes pontos abordados para que adquira Proteções e Defesas e para esteja livre de todos os percalços dos aproveitadores e mistificadores da terra e do Astral Inferior.

Que OXALÁ ilumine todos os caminhos!

André.