Make your own free website on Tripod.com

 

 

OS CHAKRAS, OS TATTWAS e suas ENERGIAS.

 

A palavra chakras é sânscrita, e significa Roda.

É também usada de várias formas figuradas por diversas religião ocidentais. Do mesmo modo como falamos da Roda do destino, ou da fortuna, assim também os budistas falam da roda da vida e da morte e designam com o nome de Dhammachakkappavattana Sutta ( Chakkra é o equivalente Páli do sânscrito Chakka ) ao primeiro sermão que o senhor Buda pregou a sua doutrina, nome esse que um sábio professor traduziu poeticamente pela expressão:

"Por em marcha as rodas da régia carroça do Reino de Justiça "

Este é o exato significado da expressão para o budista devoto, ainda que a tradução literal das palavras seja " O giro da roda da Lei "

O uso figurado da palavra chakra, de que tratamos nesse momento, refere-se a uma série de vórtices semelhantes a rodas que existem na superfície do Duplo Etérico do Homem.

O Duplo Etérico ou Corpo Etérico:

Esta parte invisível do corpo físico, ainda que invisível é matéria em um grau mais sutil, e é de suma importância, pois é o veículo pelo qual fluem as correntes vitais que mantém vivo o corpo físico, assim como todos os outros e, serve de ponte para transferir as ondulações do pensamento e a emoção do corpo astral ao corpo físico denso.Sem tal ponte intermediária não poderia ser usadas as células do cérebro.

A vida do corpo físico muda incessantemente, e para viver necessita de contínua alimentação de três formas distintas. Precisa de comida para a digestão, ar para a respiração e de três modalidades de vitalidade para a assimilação.

Os chakra, ou centros de força, são pontos de conexão ou enlace pelos quais fluí a energia de um a outro veículo ou corpo do homem.Quem quer que possua um leve grau de clarividência, pode vê-los facilmente no duplo etérico, em cuja superfície aparecem sob a forma de depressões semelhantes a pratinhos ou vórtices. Quando já totalmente desenvolvidos, assemelham-se a círculos de uns cinco centímetros de diâmetro, que brilham ofuscado no homem vulgar, mas que, ao se excitarem com vivacidade, aumentam de tamanho, e se vêem como diminutos sóis.

As vezes falamos destes centros como se toscamente se correspondessem com determinados órgãos físicos; mas em realidade estão na superfície do duplo etérico, que se projeta ligeiramente mais além do corpo denso.

 

Nome em Português

Nome em Sânscrito

Localização

Chakra Raiz ou Básico Muladhara Na base da espinha dorsal(coccix)
Chakra do Baço(Esplênico) ***(Swasdhithana) Perto dos orgãos sexuais
Chakra do umbigo Manipura No umbigo, sobre o plexo solar
Chakra do coração Anahata Sôbre o Coração
Chakra Laringeo Vishuddha Na frente da garganta
Chakra Frontal Ajna Entre as sobrancelhas
Chakra Coronário Sahasrara No alto da cabeça

 

*** O chakra do baço não está indicado nos livros da Índia, e em seu lugar aparece um centro chamado Swadhisthana, situado nas vizinhanças dos órgãos genitais, as quais se assinalam as mesmas seis pétalas. No entender de C. W. Leadebheater o despertar deste centro de força, é um perigo, pelas graves conseqüências a ele relacionadas. No plano egípcio de desenvolvimento tomavam-se precauções deveras esquisitas para evitar tal despertamento.

 

Chakra fundamental Base da Espinha 4 raios
Chakra Esplênico Base do Baço 6 raios
Chakra umbilical Base do Plexo solar 10 raios
Chakra Cardíaco Base do Coração 12 raios
Chakra Laríngeo Base da Garganta 16 raios
Chakra Frontal Base da Sobracelhas 96 raios
Chakra Coronário Base Alto da Cabeça 960 raios

 

1º)O Chakra Fundamental, situa-se na base da Espinha dorsal e, recebe a sua energia primária que emite 4 raios, portanto as suas ondulações aparecem divididas em quadrantes alternativos vermelhos e alaranjados com vazios entre eles, daí resultam estarem como o sinal da cruz, por isso costumam empregar a cruz como símbolo desse centro, é as vezes uma cruz flamígera para indicar o fogo serpentino residente neste chakra.

2º) O Chakra Esplênico ( Swadhisthana), situa-se no Baço, e sua função e subdividir, especializar e difundir a vitalidade dimanante do Sol. Esta vitalidade surge no chakra esplênico, subdivididas em 7 modalidades, 6 correspondem aos 6 raios dos chakras, e a 7 fica concentrada no cubo da roda, portanto tem este chakra 6 pétalas de diversas cores, e é muito radiante como o sol, em cada uma das suas sub- divisões da roda predomina a cor de uma espécie de energia vital, estas cores são vermelhas, alaranjadas, amarela, verde, azul e violácea, isto é, as mesmas cores do espectro solar, menos o índigo e o anil.

3º)O Chakra Umbilical, situa-se no Umbigo, ou melhor no Plexo Solar, e recebe a energia primária que se subdivide em 10 radiações, de modo que vibra como se estivesse dividido em 10 ondulações ou pétalas. Está intimamente ligado com sentimentos e emoções de índole diversa, sua cor predominante é uma curiosa combinação da vários matizes de vermelho, ainda que também contenha muito verde. As divisões são alternativas e principalmente vermelhas e verdes.

4º) O Chakra Cardíaco, situa-se no Coração, é de cor brilhante de ouro, e cada um de seus quadrantes está dividido em 3 partes, pelo que tem 12 ondulações, pois sua energia primária se subdivide em 12 raios.

5º)O Chakra Laríngeo, situa-se na Garganta e tem 16 raios correspondentes a outras tantas modalidades de energia, embora haja bastante do azul em sua cor, o tom que predomina é o prateado brilhante, parecido com o fulgor da luz da lua quando brilha no mar. Em seus raios predominam alternativamente o azul e o verde.

6º)O Chakra Frontal, situa-se entre as Sobrancelhas, parece divididos em duas metades; uma em que predomina a cor rosada, ainda que com muito amarelo, e a outra em que sobressai uma espécie de azul purpúreo. Ambas as cores se correspondem com as da vitalidade que o chakra recebe. Talvez por esta razão, dizem os tratados orientais que esta chakra só tem duas pétalas, mas se observarmos as ondulações análogas com os chakras anteriores, veremos que cada metade está subdividida em 48 ondulações, ou seja 96 no total, porquê esta é o número das radiações da energia primária recebida pelo chakra.O brusco salto de 16 para 96 raios, e ainda a maior variação súbita de 96 a 972 raios que tem o chakra coronário, demonstram que são chakras de uma ordem inteiramente distinta da ordem dos até agora considerados. Não conhecemos todos os fatores que determinam o números de raios de um chakra; mas é evidente que representam modalidades de energia primária, e antes que possamos afirmar algo mais sobre esse particular , será necessário fazer centenas de comparações, repetidamente comprovadas entretanto, não resta dúvida que enquanto as necessidades da personalidade podem ser satisfeitas com limitados tipos de energia, nos superiores e permanentes princípios do homem encontramos uma tão complexa multiplicidade, que requer, para sua expressão, muito maiores e seletas modalidades de energia.

7º)O Chakra Coronário, situa-se no Alto da Cabeça, é o mais refulgentes de todos, quando está em plena atividade. pois oferece abundância de indescritíveis efeitos cromáticos e vibra com quase inconcebível rapidez. Parece conter todos os matizes do espectro, ainda que no conjunto predomine o violeta.Os livros da Índia o denominam " A flor de mil pétalas ", e esta denominação não dista muito da verdade, pois são 960 as radiações da energia primária que recebe. Além disso esse chakra tem uma característica que não possuem os outros, que consiste de um subalterno torvelinho central, de um branco fulgurante e com um núcleo cor de ouro. Este vórtice subsidiário é menos ativo e tem doze ondulações próprias. Geralmente , o chakra Coronário é o último que se atualiza. No princípio não difere em tamanho dos demais; mais à medida que o homem se adianta na senda do aperfeiçoamento espiritual, vai aumentando de tamanho pouco a pouco, até cobrir toda à parte superior da cabeça. Este chakra é descrito na simbologia cristã como as coroas dos 24 anciãos do Templo que a retiravam diante do trono do Senhor, e no budismo aparece na cabeça de Brama no Hokkaido de Todaiji de Nara ( Japão ).

Os Tattwas

Tattwa

Akasa

Eter sonoro

Tattwa

Vayú

Eter tatil

Tattwa

Tejas

Eter luminoso

Tattwa

Apas

Eter gustativo

Tattwa

Prithivi

Eter Olfativo

ESCOLA ORIENTAL

Upanadaka

Superior

ESCOLA ORIENTAL

Adi

ÉTER ELEMENTAL*

* Vibram direto na linha de Oxalá.

Os Tattwas são forças que prendem a raiz de todas as manifestações - A criação, a conservação e a destruição, ou mais estritamente a aparição, a conservação e a desaparição dos fenômenos de que somos advertidos.

Os Tattwas são as cinco ( 5 ) modificações do grande Alento, agindo sobre a matéria cósmica não diferenciada. Esse grande Alento lança-o em cinco estados que tem movimentos vibratórios distintos e que desempenham funções diferentes.

O primeiro estado que aparece durante a fase evolutiva é o Akasa Tattwa. Vem em seguida em ordem respectiva, o Vayú, Tejas o Apas e o Prithivi.

O movimento rítmico, ininterrupto, da respiração, bem como o rítmico e incessante pulsar do coração, nos fazem lembrar o rítmico, ininterrupto, incessante éter no movimento do universo cósmico, esotericamente é seu atributo único e absoluto, que lhe é idêntico, o eterno e incessante movimento denomina-se, em linguagem esotérica - A grande respiração; é o movimento perpétuo do universo, no sentido de espaço sem limites e para sempre presente.

O corpo humano ou qualquer outro é composto dos 5 ( cinco ) Tattwas, na sua forma grosseira, nesse corpo grosseiro estão em jogo os cinco ( 5 ) Tattwa, sob a sua forma sutil; eles governam fisiologicamente, mentalmente e espiritualmente. São pois, essas as quatro formas sutis dos Tattwas.

Portanto os Tattwas estão compreendido, existem e se manifestam sobre os quatro ( 4 ) planos do universo.

 

Plano fisiológico Sede de Prâna Matéria Vital Sol por centro
Plano mental Sede de Manas Matéria Mental Manú por centro
Plano Psíquico Sede de Vjnãna Matéria Psíquica Brahma por centro
Plano Espiritual Sede de Ananda Matéria Espiritual Parabrham por( substratum infinitum)

 

Temos assim quatro estados de matéria sutis no universo.

Não se admite um mapa astrológico sem o conhecimento do Tattwa do qual foi gerado.

O ato sexual, o nascimento e a morte é sempre subordinado ao mentor protetor espiritual, que autorizou a encarnação e tem total domínio sobre o Tattwa ( elemental ) que rege o acima descrito,* pois é sempre a mesma força sutil ( Tattwa ) que domina o ato germinativo, o nascimento e a morte, porque a cada 2 horas muda a respiração, como sobe ao céu um novo signo astrológico, e a respiração é feita pela narina direita ou esquerda junto com os 5 ( cinco ) alentos que a alimentam.

* Então para cada ato carnal que se dá um nascimento, existe uma entidade espiritual " guia na matéria " que com domínio sob os 5 ( cinco ) tattwa ( elementais ) plasmou com o comando e conhecimento da lei este ser carnado.

Os cinco ( 5) Tattwas = AKASA -- VÀIU -TEJAS -APAS - PRITHIVI - , só atuam nas funções do corpo astral, porque suas energias são apropriadas ao corpo astral, porque são matéria astral.

Para completar os 7 ( sete ) Tattwas, os dois ( 2 ) elementais Tattwas são UPANADAKA e ADI da escola Oriental, entenda-se, a matéria mental é manipulada pelos dois ( 2 ) chakras superiores que são os mentais e, atuam tanto no masculino como no feminino.

Os símbolos desses dois ( 2 ) Tattwas mentais UPANADAKA e ADI na apresentação mágica, vibram direto na faixa Crística ou de Jesus o Cristo, por intermédio das entidades dessa vibração.

 

Alto da cabeça

Plexo Coronário

Sahasrara

Acima da glândula Pineal

Raiz do Nariz

Plexo FRONTAL

Ajna

Entre os Olhos - (Shiva)

Base da Garganta

Plexo Laríngeo

Visuddha

Faringe e Laringe

Base do Peito

Plexo Cardíaco

Anahata

Coração

Região Umbilical

Plexo Prostático

Swadisthana

Abaixo do Umbigo ( base dos órgãos sexuais )

Região Epigastrica

Plexo Solar

Manipura

Agni - Triângulo

Sacrum Ext. Espinha

Plexo Sagrado

Muladhara

Ânus

 

Os três condutos Espinais

 

Os três (3) Nádis (nervos )

O principal é Sushumna que passa por toda a coluna vertebral até a medula ( por onde passa o Kundalini ) os outros são IDA e PINGALA.

O Kundalini penetra no corpo pelo chakra Fundamental ( espinha dorsal, perto do Cóccix ) Nós absolvemos a potente energia de Deus, tanto por baixo, da terra ( Kundalini ) como por cima, do céu ( Solar ) não podemos possuir uma sem a outra energia, e há muito risco no excessivo predomínio delas, daí o perigo de avivar as camadas inferiores do Fogo Serpentino ( Kundalini ) antes de purificar e refinar a conduta.

Os plexos hipogástrios e pélvicos estão relacionados com o chakra Swadhisthana situados perto dos órgãos genitais.

Os plexos situados na região pélvica estão na maioria subordinados ao plexo Solar (Esplênico )

Narina direita, chamada PingalaNãdi, é o sistema de nâdis que se estende do lado direito do corpo.

Pingala – nâdi é o nervo sutil, ou nâdi que aflora na narina direita

Surya – nâdi ( O Sol, respiração positiva ) penetra a corrente solar ou positiva, denominada Surya – Swara (respiração) e percorre todo o lado direito do corpo.

Narina esquerda chamada de Ida – Nadi , ou Chandra – Nãdi ( o Nâdi se estende pelo lado esquerdo do corpo, e a Lua é a respiração esquerda que é negativa.

Ida – Nâdi ou Chandra – Nâdi é o nervo sutil ou nâdi, que aflora na narina esquerda.

Os nâdis ( nervos ) orçam por milhares no corpo humano.

No corpo estão os nâdis, tendo muitas formas e extensões: Eles devem ser conhecidos no corpo pelos sábios, por amor do saber: São em número de 24 ramificados na raiz do Umbigo ( Chandra umbilical ) 72.000 entre eles se estendem pelo corpo. A respiração ( Swara ) corre de Ida, sempre que entra pela narina esquerda, e nesta fase, corre pelo lado esquerdo da coluna vertebral.

A respiração ( Swara ) corre por Sushumna quando a respiração se faz em conjunto pelas 2 ( duas ) narinas ( Sushumna é a espinha dorsal ou antes a medula espinhal ) dez são os principais, dentre eles os mais elevados são 3 ( três ) Ida , Pingala, Sushumna.

As dez forças que agem conjuntamente e que operam no corpo nesses nâdis são:

 

Prâna

Anâna

Samâna

Udâna

Vyana

Nâga

Kurma

Krikila

Deradath

Drananjaya

Peito

Circulo do Ânus

Circulo do Umbigo

Meio da Garganta

Atua por todo o corpo

Atua na eructação e produz vomito

Atua no piscar de olhos e ajuda a abri- los

Atua sob a fome

Atua sob o bocejo

Penetra em tudo, não abandona nem o cadáver,

 

Todas essas forças atuam em todos os nâdi, nas quais revestem as formas de vida.

Sábio é quem conhece os movimentos manifestados do Prâna individualizado pelos três ( 3 ) Nãdis = IDA, PINGALA, SUSHUMNA.

São os 3 ( três ) aspectos distintos ou antes as três ( 3 ) formas do poder, como se colige da essência do versículo que diz:

Durante o fluxo da Lua, o veneno é destruído; durante o fluxo do Sol, obtêm-se o poder sobre um corpo qualquer, durante o SUSHUMNA .obtêm-se a salvação.Um poder existe sob três ( 3 ) formas:

IDA, PINGALA, SUSHUMNA.

SUSHUMNA é o nervo ( Nãdi ) do conhecimento, em vista do exposto, compreende-se que o estado de SUSHUMNA só convém a meditação, a prece e as práticas da YOGA, ou seja, aquisição de poderes psíquicos, o melhor e mais apropriado tempo para meditação, é o da respiração em SUSHUMNA.

Tattwa

AKASA

VAYÚ

TEJAS

APAS

PRITHIVI

UPANADAKA e ADI*

Local

?

?

?

?

?

Matéria elemental Sutil

Sabor

Amargo

Ácido

Picante

Adstringente

Doce

 

Sítio

?

?

?

?

?

 

Símbolo

H. Ham

P. Pam

R. Ram

V. Vam

L. Lam

 

Planeta

Mercúrio

Saturno

Sol - Marte

Lua - Vênus

Júpiter - Saturno

Altos planos espirituais

Narina Direita = respiração solar, respiração positiva, e pronunciando o monossílabo RAM, ? vezes, e pensando simultaneamente no triângulo incandescente e suas propriedades, põe em vibração o tattwa AGNI ou TEJAS isto é:

A força sutil da natureza que governa OS olhos e a vista, RAM significa nominativo neutro da letra sânscrita RA, a primeira de um sinônimo de TEJAS ou AGNI. RAM serve de símbolo algébrico, e quem pronuncia com fé o símbolo de um tattwa, sabendo entre outras coisas o seu sítio, o põe em vibração.

RAM = RÁ = TEJAS = Narina direita

O tattwa APAS, que é de forma Semi – Lunar de cor Branca como a Lua, frio de temperatura, adstringente de gosto, rápido de movimento, pesado de som, sempre propenso a benefício, dando ao fluxo da respiração uma extensão de 16 dedos ( maior extensão dada que só ele pode dar ) movendo-se sempre para baixo, E da resistência contra a fome e sede, e seu símbolo algébrico ou sílaba mágica é VAM monossílabo que vem de VARI um sinônimo de APAS, concentrando-se no símbolo VAM e pensando-se no sítio em que APAS estaciona , e em todas as qualidades e virtudes, se põe em vibração, os Planetas Vênus e Lua estão em relação com APAS – tattwa os órgãos vocais e o poder da palavra estão debaixo da influencia de APAS tattwa.

O APAS – tattwa ou PRÂNA ( uma manifestação ou modalidade de Prâna que é compreendido como energia absoluta do qual procede toda forma de energia do universo.

O Prâna compreende os 5 ( cinco ) tattwa.

A Respiração muda de 2 em 2 horas, assim como de 2 em 2 horas sobe ao céu no horizonte Oriental um novo signo zodiacal.

Meditação acerca dos 7 ( sete ) tattwa

1º Meditar acerca de PRITHIVI – tattwa com L – LAM por símbolo algébrico como sendo quadrangular, amarelo, de sabor doce e conferindo uma cor Tão pura como a do Ouro, imunidade de moléstias e luminosidade de corpo.

2º Meditar acerca de APAS – tattwa com V – VAM por símbolo algébrico, como sendo Semi – Lunar alvo como a Lua, dando resistência contra a fome e contra a sede, etc. E produzindo uma sensação análogo a de um mergulho na água.

3º Meditar acerca de TEJAS – tattwa com R – RAM por símbolo algébrico, como sendo triangular vermelho, dando o poder de consumir uma grande quantidade de alimentos e de bebidas, e de resistência contra o calor ardente.

4º Meditar acerca do VAYÚ – tattwa, com P – PAM por símbolo algébrico, como sendo esférico, Azul Cerúleo, e dando o poder de caminhar pelo espaço e de voar como as aves.

5º Meditar acerca do AKASA – tattwa com H – HAM como símbolo algébrico, sem forma, sombreando muito as cores e dando o conhecimento dos três ( 3 ) tempos e os poderes.

UPANADAKA = Matéria elemental Mental

ADI = Matéria elemental Mental

Por trás dos sete (7 ) tattwa está o SEM – FORMA isto é: O ESPÍRITO UNIVERSAL e o único DEUS.

Todas as coisas, são dos 7 ( sete ) tattwa, todo fenômeno possível da alma, da inteligência, do Prâna e da matéria grosseira, todas as coisas em suma, são dos TATTWA.

Leste = APAS

Oeste = PRITHIVI

Norte = VAYÚ

Sul = TEJAS

Meio = AKASA

Mental = UPANADAKA e ADI

Prâna

São 5 ( cinco ) as forças oriundas do Sol ou ditas forças solares chamadas também ( "Cinco Ares Vitais ou Cinco Ventos da Vida " ver João – Apocalipse, quando faz referencia as 12 ( doze ) forças – os sete ( 7 ) alentos e os cinco (5 ) ventos em correlação com os 12 ( doze ) signos do zodíaco – 75-76 )

Estas cinco modalidades de Prâna são " VYANA – APÃNA – SAMÃNA – PRÂNA – UDÃNA "

É através de um, dois, ou três Prâna é que atuam sob os citoplasmas do médium, através de um dos plexos ou chakras que gera certas substancias fluídicas ( mensagens do astral de Hercílio Maes )

As energias que atuam nos chakras juntos com os cinco ( 5 ) prãnas* são:

Chakra Sasharara

Chakra Ajnã

Chakra Visudha

Chakra Anahata

Chakra Swãsdisthana

Chakra Manipura

Chakra Mulhadara

Vyana*prâna

Apanã*prâna

Akasha Udanã*prâna

Prâna*

Apãna*prâna

Samãna prâna*

Vyãna*prâna

Plexo coronário

Plexo frontal

Plexo cervical ou laríngeo

Plexo cardíaco

Plexo solear ou esplênico

Plexo umbilical

Plexo sacro ou fundamental

Energia Daiviprakiti

Energia Mantrika

Energia Para

Energia Jnãra

Energia Kriyã

Energia Ichchahã

Energia Kundalini

Cor:Branco c/ amarelo violeta ??'' Cor: Azul e verde Cor: Ouro brilhante  

Cor: Vários matizes

CorVermelho alaranjado

Chakka é o equivalente Páli do sânscrito Chakra.

* Dhammachakkappvattana – sutta - O giro ( chakka ) da roda da lei, segundo os budistas.

Sharasrara

Ajna

Vishuddha

Anahata

Manipura

Swãsdisthana

Muladhara

Saturno Coronário

Júpiter Frontal

Marte Laríngeo

Sol Cardíaco

Vênus Umbilical

Esplênico Mercúrio

Lua Fundamental

Dividem-se em três ( 3 )

1º Inferior – Fisiológico 1º Fogo - Coração 3º - Terra - Pulmões

2º Médio – Pessoal 2º Água - Fígado 4º - Ar - Bexiga

3º Superior – Espiritual

Inferior

1º Fogo Serpentino

2º Vitalidade do Sol

Médio

3º Parte Inferior do CORPO ASTRAL

4º " Superior do CORPO ASTRAL

5º Por todo o Corpo mental

Superior

6º CORPO PITUITÁRIO

7º Glândula Pineal*

*O 6º e 7º somente de põe em ação após um certo grau de desenvolvimento espiritual.

As três (3) Energias

Primária, Kundalini, Vitalidade não estão relacionadas com a vida mental e emocional do homem, mas somente com o seu bem estar corporal, mas também penetram pelos chakras energias que podem qualificar-se de psíquicas e espirituais.

Os dois (2) primeiros chakras não manifestam nenhuma destas energias, mas, o chakra Umbilical e os demais situados acima do corpo, são portas de entrada para as energias que afetam a consciência humana.

Os cinco (5) VAYUS PRÂNICOS ( modalidade de Prâna )

O Prâna atua sempre no coração, o Apãna na esfera do Ânus, o Samãna na região do umbigo, o Udanã na garganta e o Vyãna penetra por todo o corpo.

O ar chamado de Vyãna é a parte essencial de todos os nervos.

ESOTÉRICO:

O alimento logo após ingerido, é decomposto em 2 ( dois ) por esse ar, ao entrar perto do Ânus, separa as porções sólidas das líquidas, ao colocar a água sobre o fogo e o sólido sobre a água, o Prâna que esta debaixo do fogo inflama-o lentamente. O fogo inflamado pelo ar Vyana difunde a essência por todas as partes, e os resíduos são expulsos do corpo, forçado pelos DOZE PORTAIS.

 

Prâna Apana Samana Udana Vyana
Coração Ânus Umbigo Garganta Todo o corpo
Amarelo Laranja vermelho Verde Violeta azulado Rosado
Cardíaco Fundamental Umbilical Laríngeo Esplênico
  • Forma simbólica dos elementos

  •  
  • Muladhara Swadhisthana Manipuraka Anahata Visuddhi Ajna

    ?

    Terra Agua Fogo Ar Eter Mente

    ?

    Olfato Paladar Vista -gasoso Tato- aereo Ouvido

    ?

    ?

    Quadrado Meia lua Triângulo Hexagrama Circulo

    ?

    ?

    Lam Vam Ram Yam Ham

    ?

    ?

    Amarelo Branco Vermelho vivo Esfumado Branco Branco

    ?

     

    1º) Chakra – Raiz = Terra = base da espinha ( sensação de voar – recorda de viagem astral )

    2º) " Baço = base da região peniana

    3º) " Umbigo = Água = base do umbigo no plexo solar ( receber classes de influencias astrais )

    4º) " - Cardíaco = fogo = base do coração ( sente do próximo suas alegrias e tristezas )

    5º) " - Laringe = Ar = base da garganta ( desperta a audição e a vidência astral )

    6º) " - Frontal = Éter = base das sobrancelhas ( ver lugares ou pessoas distantes )

    7º) " - Coronário = Mental = base alto da cabeça ( dar consciência na saída do corpo de dia ou noite )

     

    Fogo Serpentino ( Energia Kundalini )

    Esta energia é a primeira manifestação no plano físico da primeira onda de vida dinamante do terceiro aspecto do Logos. Existe em todos os planos, que mais ou menos conhecemos, mas nos ateremos a considera-la quando manifesta na matéria etérica. Não se transmuta na primeira energia já mencionada nem na vitalidade procedente do Sol, e parece não ser afetada de nenhum modo, por qualquer modalidade de energia física,(segundo C.W. Leadebheater, ele já tinha visto o corpo de um homem ser carregado com uma corrente elétrica de 1.250.00 volts, de sorte que, ao botar seus braços contra a parede brotavam enormes chamas de seus dedos.)

    A energia Kundalini ou fogo Serpentino de nosso corpo, procede do laboratório do Espírito Santo, oculto nas entranhas da terra, e é parte do formidável globo ígneo geocêntrico.

    Esta energia contrasta profundamente com a vitalidade oriunda do Sol, e pertence ao ar,à luz e aos vastos espaços livres, enquanto que o fogo Serpentino é muito mais material, como o do ferro enrubescido ou do metal incandescente.

    Esta tremenda energia tem o aspecto ainda mais terrível de produzir a impressão de descer sempre mais profundamente na matéria, com lenta mais segura e irresistível progressão e implacável segurança.

    Assim absolvemos a potente energia de Deus tanto por baixo, da terra, como por cima, do céu. Somos filhos da terra e também do Sol. A energia que da terra sobe e a que do Sol desce, confluem em nós e cooperam para a nossa evolução. Não podemos possuir uma Energia sem a outra, e há muito risco no excessivo predomínio de uma delas. Daí o perigo de avivar as camadas inferiores do fogo

    Os efeitos do álcool e dos narcóticos

    São de duas classes os hábitos viciosos ou práticas nocivas que podem estragar a tela protetora:

    ouso do álcool e os narcóticos, ou o empenho de abrir as portas que a natureza mantém fechadas, por meios como os descritos em algumas literaturas espiritualistas.

    Certos alcalóides e bebidas, sobretudo o álcool e os narcóticos, inclusive o tabaco, contêm substâncias que ao se decomporem se volatilizam. Algumas delas passam do plano físico para o astral* através dos chakras, em direção oposta a normal, de modos que a repetição desta anormalidade deteriora gravemente e finalmente destrói a delicada tela protetora.

    Esta deterioração e destruição podem ocorrer de duas maneiras distintas, segundo o tipo do indivíduo e a proporção das substâncias nocivas contidas em seu duplo etérico e em seu corpo astral.

    Em primeiro lugar, as substâncias volatilizadas queimam a tela e com isso abrem a porta a toda classe de energias bastardas e influencias malignas. Em segundo lugar, tais substancias volatilizadas, ao passarem pelo átomo físico ultérrimo , o endurecem e impedem suas pulsações, de modo que já não o pode vitalizar a especial energia que o entrelaça, resultando disso uma ossificação da tela que intercepta as comunicações entre um plano e outro.

    Podemos observar no bêbado habitual os efeitos nocivos de ambas as classes de deterioração. Os que franqueiam a passagem às nocivas influências se tornam loucos, obsedados ou morrem delirantes, ainda que sejam raros os deste tipo. Mais freqüentemente é deterioração por obstrução, que debilita as faculdades e mergulha o indivíduo no grosseiro sensualismo e brutalidade, sem o mais leve sentimento de delicadeza e possibilidade de auto domínio. Perde o sentimento de responsabilidade, e ainda que em estado lúcido ame sua esposa e filhos, quando lhe comete a ânsia de bebida não vacilará em gastar em bebidas ou drogas o dinheiro que deveria empregar para manter a família, porque se desvaneceram o afeto e a noção de responsabilidade.

    *Também o café e o chá contém os respectivos alcalóides, mas em quantidades tão pequenas que só após longo abuso se notam os efeitos nocivos.

    A segunda classe de deterioração da tela etérica é muito freqüente nos escravos do fumo , que vemos persistirem no vício, ainda que saibam perfeitamente que incomodam os não fumantes. Prova do estropiamento da tela temos no fato de ser o único vício em que um cavalheiro persiste apesar de perceber o desgosto que causa aos demais. Vê-se que neste caso se embotaram os sentimentos delicados. De tal modo este nocivo hábito escraviza os que o adquirem, que são incapazes de vencê-lo e se esquecem de todo instinto de cavalheirismo por seu tão insensato e horrível egoísmo.

    Os perniciosos efeitos do tabaco são evidentes nos corpos físicos, astral e mental, e saturam o homem de partículas sumamente impuras, cujas emanações são tão grosseiramente materiais que ferem o olfato alheio.

    Astralmente, não só o tabaco introduz impureza, como amortece muitas vibrações e por esta razão usa-se dizer que " acalma os nervos ". Mas o progresso no ocultismo não requer que se amorteçam as vibrações nem que se carregue o corpo astral de partículas nauseabundas e venenosas. Pelo contrário, precisamos responder instantaneamente a toda possível longitude de ondas e ao mesmo tempo dominar-nos tão completamente que nossos desejos sejam como cavalos dirigidos pela razão, levando-nos aonde quisermos e não arrastando-nos em seu desenfreamento como o faz o pernicioso hábito do tabaco, que nos coloca em situações onde a natureza superior compreende que jamais deveríamos nos situar. Deus resultados depois da morte são também dos mais desastrosos, porque determinam uma espécie de ossificação ou paralisia do corpo astral, de modo que durante longo tempo, por semanas e ainda meses, o homem permanece desamparado, tolhido, quase inconsciente e como que preso a uma masmorra sem poder comunicar-se com ninguém e incapaz de receber, portanto, as influências superiores. Vale a pena sofrer todas essas aflições por uma tragada de fumo? O tabaco é muito pernicioso, e deve cuidadosamente ser evitado por quem verdadeiramente deseje disciplinar seus veículos e adiantar-se na senda da evolução.

    Caros Irmãos, alguns artigos acima se acham truncados propositalmente, os irmãos que quiserem ler e estudar as obras as acharão na nossa bibliografia. Esperamos que estas páginas sejam de grande valia e discernimento para todos, e que nosso pai Oxalá envie luzes divinas nos banhando de Paz, de Amor de Saúde para que possamos continuar a nossa jornada evolutiva, e que possamos superar os obstáculos com serenidade e lucidez.

    Que a Paz esteje com todos.

    Sarava.

    André.